Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fox-Time

If only Love stood a chance.

Fox-Time

If only Love stood a chance.

Presente Perfeito

27.01.20

19564.jpg

Era uma daquelas tardes em que o sol e a lua combinam encontrar-se.
A leve brisa trazia consigo cantigas de ninhos escondidos e a cada investida preguiçosa,
as ondas faziam chegar o seu cheiro salgado, molhado e pegajoso.

Era a primeira vez que se encontravam ali.
Não que o tivessem planeado, não naquela tarde, até porque há muito que sabiam que o tempo lhes fugia, sempre.
Não, aquela tarde tranquila acontecera com uma naturalidade espontânea,
momento que o próprio tempo lhes devia e ao qual emprestara um gosto diferente,
como se de um o fim de ciclo se tratasse e o início de outro se adivinhasse.

Um longo abraço e beijo deram lugar a dedos inter laçados enquanto se sentavam num pequeno muro arruinado,
órfão naquela praia deserta.

“Isto aqui é mesmo bonito -” disse ele“ - nunca pensei, ainda bem que me trouxeste aqui.”

Ela soltou uma gargalhada - “É...engraçado...normalmente és sempre tu a decidir.”
Com isto piscou-lhe o olho, rui-se novamente, levantou-se e deu uns passos em frente
enterrando os saltos altos na areia molhada que
rapidamente a obrigou a descalçar-se.

Era a vez dele de se rir - “És sempre a mesma coisa!
Não me lembro de mais ninguém que anda na praia de saltos altos!”

“E não são estas coisas que me fazem ser especial?” - retocou ela - “se assim não fosse, seria...normal!”
Adorava aquele sorrisinho de marota atrevida.
Adorava como as suas faces acaloravam e a denunciavam quando lhe olhava intensamente nos olhos,
deixando que ela adivinhasse o seu pensamento, e desejo.

“Então vamos combinar uma coisa?” - perguntou, animado.

“O quê?”- disse, curiosa.

“Quando eu conseguir alcançar a lua, vou roubá-la e dar te de presente para que à noite,
quando estiveres
longe de mim, possas atar-lhe um cordel e deixá-la subir ao céu,
para eu puder ver e saber...que pensas em mim.”


Ela sorriu com a ideia tola e infantil dele e disse ,tranquila - “Mas se tu roubares a lua só para mim,
o que farão os outros casais, os outros apaixonados...e todos aqueles que a acarinham?
Achas justo ficarem sem o luar?
Umm...não me parece que aceitava essa prenda...”

Ele olhou-a durante algum tempo.
Contemplava os cabelos dela a ondularem levemente, soltos do rabo de cavalo que usará há poucos minutos.
Tinha-se colocado à sua frente na areia, de quatro, retirando a blusa que trazia vestida,
revelando os seios à brisa provocadora, enquanto o escutava, mantendo o olhar grudado nele.
Adorava vê-la assim, ao natural, selvagem, sedutora.
”Então, não queres a lua huh? Não entendo.
Não consigo imaginar um outro presente tão fantástico,
precioso e romântico como esse.”

“Eu sei de um”- afirmou ela, categórica.
Ӄ certo que pode dar te ainda mais trabalho do que o teu presente lunar, mas olha,
para mim é tudo aquilo
que acabas de dizer...e mais!”

Ficou verdadeiramente intrigado - “Ok, posso saber qual é?”

Virou-se, levantou-se e chegou-se a ele e pegou-lhe nas mãos.

“Tu.Basta que tu me ames.Basta que tu me deixes amar-te.Basta-me.”

Não pode deixar de sorrir.
Não pode deixar de sentir os olhos humedecerem-se.
Disfarçou - “Tu não estás bem! Malditos Martinis!”

“Eu sei...estou apaixonada” - disse, encerrando o assunto, beijando-o de forma perfeita,
dizendo-lhe - “ anda, vamos dar uma volta, dá-me a mão...eu amo te!”.

4 comentários

Comentar post