Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fox-Time

If only...we understood Love...

Fox-Time

If only...we understood Love...

A Tempestade ( Parte 2 )

30.11.19


Quando ele entrou, ela deixou as mãos descerem frouxamente e levantou os olhos,
para ele.
Eram de um negro profundo.

Fechou a porta devagar.
Através das janelas e vindo de várias direcções e lugares, os relâmpagos persistiam com a brincadeira das sombras.
No rosto dela, não viu surpresa, medo, tristeza ou qualquer outra coisa.
Caminhou até ao sofá à sua frente e sentou-se.
Olharam-se.
Ela esperou que ele falasse.

O que estava a fazer lá fora, no meio da estrada, com esta tempestade - perguntou, angustiado.

À espera de uma boleia - disse ela, com um sorriso leve, tímido, baixando a cabeça.

Boleia? Está vestida para...vai a alguma festa ?

É...ía...quer dizer...fui - confirmou ela, olhando-o através de cabelos molhados.
Mas trocaram-me por outra pessoa.
Meti-me no carro e fugi de lá...queria ficar bem longe dele e de toda aquela gente hipócrita.
Acabei por ficar sem gasolina...e logo no meio desta chuva.
Suspirou.
E você, Sr. …?

Ferreira...Miguel Ferreira...

Então, ela, estendeu-lhe a mão.
Mas ele hesitou. Estava furioso. Tremia de raiva.
Recolheu a mão.

Carolina Bátista. Mas pode chamar-me Carol - disse sorrindo.
Posso tratar-lhe por Mike?

Comportava-se como se nada tivesse acontecido!
Ele não pode retribuir seu sorriso, estava loucamente irritado!
Está morta! A minha namorada está morta!
Será que dá para entender?
Não se apercebeu de nada??
Não está boa da cabeça, ou quê ?? - explodiu.

O rosto dela mudou para uma expressão de surpresa e tristeza.
Não...Eu não sabia…- disse entre lábios trémulos.
Então...era você...na estrada...o acidente!
Eu matei alguém?… eu matei!..eu....

A última frase foi pouco mais que um sussurro pronunciado por olho humedecidos.

Isso, quebrou a raiva.
Sentiu-se mal.
Claramente, ela não estava bem, devia estar em estado de choque, pensou e foi sentar-se ao seu lado no sofá
segurando-a suavemente pelos ombros
enquanto lhe procurava os olhos e dizia
Não, não se culpe, foi um acidente...
acontece...depois falamos com mais calma...Vai ver...

Mas ela tinha deixado cair a cabeça de encontra ao seu peito desatando a chorar, provocando a sua imediata reacção, a de a abraçar.
O contacto com o corpo dela e o cheiro que o rodeou, fizeram lhe sobre-saltar, algo estava muito errado, como podia ele sentir,
daquela maneira, a pele dela...
a suavidade do seu cabelo longo?
Sentiu-se envergonhado, quase agoniado, como?
Detestando-se, empurrou-a para o lado e caminhou até as grandes janelas.

Amava-a? - perguntou, após alguns minutos de silêncio, de pé, atrás dele.
Não fique assim...
Foi um acidente! Você mesmo disse...Eu nunca...

Voltou para encará-la mas logo perdeu a força de resposta.
Ela olhava-o com olhos sedutores.
Temeu que ela tivesse notado o que estava a acontecer dentro dele, era como se ela conseguisse ver a luta que ele já travava.
Era uma sensação forte, esquisita, algo que não conhecia, algo que o deixava perturbado.
Estaria a ficar assustado?

Os trovões rachavam o céu, a escuridão era quase total mas a chuva caía com menor intensidade.
Em breve a tempestade daria lugar à imensidão da noite vazia e gelada.
Poderia então voltar ao local do acidente, era necessário tratar de tudo, chamar a policia...isso..
precisava de encontrar o telefone...o telemóvel...deu conta que o perderá.
..ou estaria lá...

Ela quebrou os seus pensamentos desordenados e aflitos.
Está frio aqui. Vamos acabar por apanhar uma pneumonia com estas roupas molhadas.

Haveria uma segunda intenção por detrás daquelas palavras?
Deu uma olhadela na direcção da lareira e viu o cesto largo e deformado de verga escurecida meio cheio de lenha.
Levantou-se e procurou algo com que fazer lume, mas em vão.

Lembrou-se das acendalhas que a Rita tinha comprado no fim de semana anterior para uma noite romântica
...para a qual ele não tivera tempo...

A imagem dela, de repente, assombrou-lhe.
Se calhar nada daquilo era real, se calhar não passava tudo de um sonho singular e diferente...

Um trovão tremendo sacudiu as janelas como se de folhas de acetato se tratasse.
A tempestade, afinal, tinha vindo para ficar e o vento atirava a chuva de forma impiedosa para todo lado e lado nenhum.
Miguel sabia o que viria a seguir. Já tinha vivido situações similares.
Um tornado podia estar a caminho!

Esta casa…Ela assusta-me. Carol encolhia os ombros e abraçava-se.

Parece desabitada faz tempo - disse ele. Mas nenhuma casa alguma fez vez mal a alguém.
Agora, quem vive nelas...enfim...
É melhor descansar-mos. Vai ser uma noite muito longa.
Vou só trancar as portadas das janelas e as portas. Evite os andares de cima.
Veja se há uma cave, um local onde possamos ficar recolhidos em segurança até isto passar!

Logo depois de o ter dito isso, arrependeu-se.
A casa era enorme e escura.
Mas, Carol tinha aceite a sua sugestão e saiu do salão sem qualquer sinal de contrariedade.
Concluiu a ronda pela casa e chamou por ela, dando-se conta que fazia tempo que a não ouvia.

Aqui amor, estou aqui.

De imediato um arrepio percorreu-lhe o corpo.
Não podia ser, os acontecimentos bizarros estavam a produzir os seus efeitos.

Vem amor...porque demoras tanto??

Mais uma vez sabia que devia ir, ir embora daquele sitio...mas não conseguia
...era demasiado forte, a sensação de medo e inquietude produziam um bem estar que o dominava,
que o impeliam a ficar...a ir ao encontro daquela estranha...

Achou as escadas e desceu ao piso inferior. Os seus passos eram leves e silenciosos.
As escadas davam lugar a um corredor relativamente estreito com cerca de 30m, mal iluminado pela luz que escapava
por entre a fecha de porta entre aberta.

Um quarto grande com uma cama de casal próxima da janela foi revelado pelas escassas e já gastas velas que ardiam
enraizadas nos castiçais que também já ostentavam um uso secular..

As teias de aranha deixavam-o desconfortável, mas duvidava que pudesse encontrar um só canto livre delas em toda a casa.

Ela estava sentada, de costas, uma visão deslumbrante.

Ao rugir do trovão seguinte, e ela caminhou até ele e os seus braços envolveram-lhe o corpo, tão forte quanto podiam.
Por favor - choramingou ela - Fica comigo. Estou com medo.
Mal ele lhe acenou com a cabeça, ela pendurou-se no seu pescoço e beijou-o com fervor.

O que sentiu não poderia ser descrito.
Mas, no momento em que os seus lábios o deixaram, a terrível imagem de Rita a jazer no carro,
ensanguentada, imóvel, tomou-o de assalto.


Não gostaste? - perguntou, entre surpresa e desapontamento.

Olha...gostei...mas não podemos…

Não respondeste, que a amavas?

Isso não tem nada haver, isto não pode...

Amavas?


Estávamos juntos. Eu não posso…

Amavas?

O que que isso interessa?

Miguel tentava resistir, pesava-lhe a consciência, os seus princípios, força de vontade,sabia que estava prestes
a desmoronar diante de algo que o ultrapassava.


Eu prometi nunca trair a sua confiança - disse como último esforço.

Miguel...ela está morta - disse Carol, baixo, mas enfaticamente.

Não sabia mais o que pensar dela.
garotinha de há momentos, era agora uma mulher calma, firme e...dominadora.

Nós estamos vivos - continuou ela - E pertencemos um ao outro.
Como sempre foi. Desde o primeiro instante, desde sempre.
Não podemos mudar isto !

O eco das suas palavras tomavam conta do lugar, enfraqueciam a sua vontade, apelavam à sua virilidade.
Ela vencera, e ele sabia disso.

Foi devagar até a cama, sentou-se nela e começou a acariciar a coberta.
Uma nuvem de pó elevou-se, fazendo-a parar, sorrindo maliciosamente.
Com gestos fluidos e sensuais, começou a despir-se, olhos sempre grudados nele,
boca murmurando palavras doces mas incompreensíveis.


Miguel foi-se sentar na cama e contemplava aquele bailado quente e cativante.
Um corpo belo e esguio contorcia-se ao ritmo de uma musica tempestuosa e ele reparou
como ela parecia ficar cada vez mais excitada.

Já totalmente nua, veio ter com ele, de pé, em cima da cama, sorriso aberto, mãos a puxar o cabelo para trás.

Miguel sabia que nunca voltaria a viver um momento semelhante.
Olhava o corpo sensual dela, inspirava o aroma que vinha dela, deu conta do fiozinho brilhante
que corria por uma perna abaixo, e sentiu um desejo desmedido quando ela se ajoelhou
à sua frente, mamilos erectos, a pedir a sua boca.

Ama-me!

Um estrondo atingiu o lugar e tudo ficou iluminado.

Sentiu-a em cima dele, sentiu-se viril e duro.
Sentiu-a a enterrá-lo bem dentro dela.
Uma dança frenética e selvagem tomará conta dos dois corpos que se perdiam,
um no outro, prazer atrás de prazer, fusão perfeita de amor, desejo feito paixão.

Miguel deixou-se levar, não importava procurar o sentido de tudo aquilo.
O que estava a sentir não era descritível.
Queria amá-la!

Virou-se para cima dela e viu como ela lhe sorriu enquanto o recebia.
A noite ia ser longa...e muito molhada...mas a tempestade, essa, estava fora de controlo.

Ali mesmo...

Pág. 1/3