Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fox-Time

If only...we understood Love...

Fox-Time

If only...we understood Love...

Lua Cheia

19.10.19

78224564_484059745567409_6955914876942286848_o.jpg

Estava uma noite magnífica, o céu límpido e carregado de estrelas,
com a lua cheia a domar toda a imensidão daquele esplendor.

O jantar, num restaurante à beira mar, tinha sido bom, tranquilo e acolhedor.
A escolha, decisão nada habitual, tinha sido dela.
Estava particularmente bonita naquela noite, no seu vestido preto,
com o cabelo solto, meio selvático, como ele gostava ...

Subtilmente, tinha o obrigado a ficar a imaginar o que traria
por debaixo daquele vestido justo e sugestivo.
Tinham ido para casa dela...a pedido dela.
Imaginou que aquele pedido tinha uma segunda intenção.
Desconfiara disso.
Conhecendo-a como conhecia, só poderia esperá-lo algo...especial...

A luz da lua invadira o quarto.
Ela olhou-o e ele logo reconheceu aquele olhar intenso,
cheio de emoção, de provocação, de desejo.

Despe-me. Toca-me. Sente-me...sussurrou-lhe

Sorriu-lhe...
Aproximou-se dela e virou-a de costas para si, prendendo-a,
e reparou como o olhar dela fixava as imagens a reflectir
no enorme espelho que habitava a maior parede do quarto.
Começou pelo fecho do vestido, lentamente,
até antever a lingerie preta.
Depois, foi despindo-a, peça por peça...
Quando, finalmente, ela se virou para ele, nua, não pode deixar
de se rir daquela mistura sensual de vergonha e malícia que emanava
dos seus olhos grandes e brilhantes...

És uma tonta!

Agarrou-lhe a mão e foi-se deitar com ela.
Ficou, então, carinhosamente, a percorrer com a mão aquele
corpo de mulher que ansiava por ele...
Passaram minutos, passaram horas.
Tempos de cumplicidade, de envolvimento, de partilha,
de vontades, de loucura, de desejos...
a cada toque, a cada carícia, a cada reacção dela,
olhos que o fixavam umas vezes e outras se
fechavam, a mão dela que se agarrava ao lençol,
as dele que a envolviam e a traziam de encontro a si...

Estava uma noite magnífica, o céu límpido tinha dado lugar às nuvens
matreiras da madrugada e as estrelas cansadas da sua árdua tarefa,
sucumbiam
perante a alvorada sorrateira.

Dentro do quarto escuro e silencioso, eles tinham-se encontrado, outra vez.

Mas o dia.....já não tardava......

Pág. 1/2