Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fox-Time

If only...we understood Love...

Fox-Time

If only...we understood Love...

Saudade

06.05.19

Beach_Couple[1].jpg

Aquela noite prometia ser amena mas corria uma brisa fresca como sempre acontecia por ali naquela altura do ano.

Apetecia-lhe o mar e uma música leve num bar.
Pousou o telemóvel no balcão, sorrindo com o vibrar de um sms.
Leu.
Suspirou.


Tinha estado ali, com ela.

Lembrou-se de quando a viu pela primeira vez, do exacto momento em que lhe serviam uma bebida,
ele fingindo que não via, de novo, o olhar tímido e breve, mas intenso, tal como já tinha observado ao almoço.

Tinha-lhe pedido o número.
Insensato.
Mas ela tinha-o dado.

Encontraram-se depois no local que seria tão dos dois que o saberiam de cor.
Num meio de conversas e sorrisos de cumplicidade, vieram os abraços e bocas coladas em beijos
que formavam abrigos naturais aos desejos contidos.

As mãos e os dedos percorriam caminhos que paravam, voltando atrás e ganhando outros ritmos
que se ouviam juntamente com o som do mar.

Depois partiam.
Já não se olhavam mas entendiam que se quereriam de novo, afastavam-se após um beijo longo,
envolvido num confortável silêncio em que passeavam as memórias dos momentos recentes.


Hoje, resolvera ficar por ali, mais um pouco.
Procurava esquecer a percepção dos acontecimentos e entregar-se aos sons únicos naquela praia sem ninguém
sentir as ondas calmas embalando o nascer da lua cheia, preenchendo-lhe a alma e fazendo com que se sentasse na areia
tranquilamente, admirando, apenas…

Apercebeu-se de como era tarde mas não ia correr, nem achou importante fazê-lo, caminhou, pensando, em tudo,
a preocupação dissipando-se no entardecer, nas cores, na magia do crepúsculo e o cheiro a delícias do mar.

Observava o mundo à sua volta e pensava nela longe dali mas sem dúvida dentro do seu pensamento, dentro do seu coração...

Tinha saudades... muitas, imensas, cresciam descontroladas...uma mistura doce e quente que o envolviam
e causavam uma certa dor e faziam crescer nele uma ânsia absoluta de a ver, de estar com ela, novamente.

Recordou o seu abraço, o seu beijo, os seus mimos... estava tudo presente.

Olhou o relógio.
Queria estar com ela, é o que sentia, e era o que apenas queria.
Repousou os olhos sonhando para dentro, os dedos caídos na areia.
Sentia-se a adormecer, na memória retalhos de emoções; abriu os olhos e olhou para o caderno que gostava de trazer consigo
na folha branca; desenhos abstractos, palavras soltas e frases riscadas.


Meteu as mãos nos bolsos e...deu uma gargalhada.
Tinha encontrado nele um isqueiro e um cigarro, mole da humidade da noite.
Endireitou-o com os dedos, levantou-se e caminhou em direcção ao mar.
Tornou a rir.

Bocadinhos da marota!

Mas as horas...essas...não passavam...